Martin Seligman estava capinando o jardim com sua filha Nikki, de cinco anos. Era 1999, e ele havia sido recentemente eleito presidente da Associação Americana de Psicologia (APA) – a maior e mais prestigiada organização de psicólogos dos Estados Unidos. Nikki estava cantando e dançando enquanto jogava ervas daninhas no ar. Seligman, por outro lado, estava irritado e ficando cada vez mais irritado. Ele gritou. E a filha foi embora, chateada.

Voltando alguns minutos depois, ela disse: “Papai, você se lembra antes do meu quinto aniversário? Desde os três anos até os cinco, fui chorão, choramingava todos os dias. Quando completei cinco anos, decidi não me lamentar mais. Essa foi a coisa mais difícil que já fiz. E se eu posso parar de me lamentar, você pode parar de ficar de mau humor.

A honestidade de uma criança pode ser desarmante. Afinal, diz Seligman, Nikki estava certa. “Passei cinquenta anos suportando principalmente o clima úmido em minha alma e os últimos dez anos como uma nuvem nimbus ambulante em uma casa radiante com a luz do sol”, diz ele. Sua atitude geral e seu papel como pai ou mãe exigiram uma revisão. Ele deveria nutrir o crescimento de sua filha e incentivar seus pontos fortes, em vez de corrigir infinitamente suas deficiências, ele decidiu. A curta interação teve um impacto profundo: ele decidiu mudar sua visão da vida, seu estilo parental e, impressionantemente, o campo da psicologia.

Até então, os profissionais de psicologia tinham se concentrado principalmente nos problemas emocionais que as pessoas enfrentam – depressão, ansiedade e fobias – às vezes chamados de modelo da doença. Essa atenção em consertar o mal-estar mental havia ajudado muitos, mas, concentrando-se tanto em ajudar as pessoas a deixarem de ficar tristes, os psicólogos raramente ensinavam as pessoas a serem felizes. haviam fracassado outros em sua busca de levar uma vida rica e feliz.

Terapia de Casal Nova Iguaçu, Terapia de Casal em Nova Iguaçu

À luz de seu novo papel como chefe da APA, Seligman assumiu a responsabilidade de mudar a direção da psicologia, defendendo o novo campo da psicologia positiva – com o objetivo de entender o bem-estar e as maneiras de aproveitar o bem. vida.’

Seligman sabia que a busca pela felicidade não era ignorar os eventos perturbadores da vida de uma pessoa – eles são inevitáveis ​​- mas, em vez disso, ele argumenta, encontrar uma maneira de aprender e crescer diante das adversidades. Pesquisa realizada por Stephen Joseph, professor de psicologia da Universidade de Nottingham, Reino Unido, identificou que pessoas que sobreviveram até aos eventos mais traumáticos – incluindo câncer, tornados, ataques cardíacos, combate militar, tiroteios e bombardeios – relataram, em última análise, positivas mudanças em suas vidas.

Mas como as pessoas transformam negativos em positivos e melhoram a felicidade geral?

Segundo Seligman, existe uma fórmula para a felicidade, e é notavelmente simples:

H = S + C + V

O nível duradouro de felicidade de um indivíduo (H) é resultado do conjunto (S) de fatores genéticos que definem sua faixa de alegria, as circunstâncias de sua vida (C) e – talvez o mais importante – os elementos de sua vida que estão dentro de sua família. controle voluntário (V).

Vale a pena explorar cada um por sua vez.

Em Felicidade autêntica dentro de uma relacionamento se dá por fazer terapia de casal nova iguaçu, Seligman descreve como cinquenta por cento da capacidade de felicidade de uma pessoa é herdada e define os limites em que ela passa a maior parte de sua vida. As evidências sugerem que a posição padrão de uma pessoa dentro desse intervalo – superior ou inferior – é influenciada pelas circunstâncias em sua vida diária. Fatores favoráveis ​​incluem viver em uma democracia rica, adquirir uma ampla rede de amigos e familiares, acreditar em algo mais alto (religioso ou não) e um casamento bem-sucedido. Cada fator varia no tamanho de seu impacto, e muitos – uma combinação de nascimento e boa sorte – estão fora de controle imediato.

Então, as pessoas podem escolher ser felizes?

A psicologia positiva afirma que é possível. As emoções afetam a felicidade geral e são fundamentais para fornecer uma visão positiva do passado, do futuro e, mais importante, do presente. Os psicólogos sugerem que as perspectivas podem ser melhoradas. Abandonar a crença de que o passado determina o futuro pode influenciar positivamente as lembranças de alguém. E, identificar aprendizados e perdoar as más ações pode reestruturar e desenvolver um relacionamento mais positivo com as lembranças anteriores.

Crenças – positivas e negativas – também influenciam as expectativas do futuro. Como resultado, reconhecer e desafiar pensamentos inúteis pode ser altamente eficaz para reformular o pensamento. “Você não merece o emprego oferecido”, torna-se “eu trabalhei duro para esta posição, eu mereço” e “você não é inteligente o suficiente para passar no exame” é substituído por “eu estudei muito, Conheço meu assunto, estou pronto para me provar.

Terapia de Casal Nova Iguaçu, Terapia de Casal em Nova Iguaçu

Como aponta Seligman, “é essencial perceber que suas crenças são exatamente isso – crenças”; elas não o definem. A felicidade não acontece apenas: alguém precisa assumir o controle de seu estado de espírito.

A experiência do presente também pode ser significativamente aprimorada e, como resultado, tornar-se uma verdadeira fonte de satisfação. Os prazeres são imediatos, deliciando os sentidos – alegria, riso, conforto – e, com atenção plena, podem ser saboreados. A autodescoberta e o crescimento pessoal – às vezes chamados de felicidade eudaimônica – são mais duradouros e se beneficiam da imersão total e da perda de si durante a atividade.

O uso contínuo de forças de assinatura pode aumentar ainda mais a probabilidade de felicidade duradoura. Todo mundo tem um conjunto de pontos fortes – sabedoria, mente aberta, julgamento, originalidade, amor pelo aprendizado, perspectiva e coragem, etc. – que define quem eles são. A inclusão regular dessas qualidades na vida cotidiana faz com que o indivíduo se sinta revigorado, autêntico e alegre.

Steve Peters, um psiquiatra consultor, mais conhecido por trabalhar com a British Cycling, é especializado em ajudar atletas de elite a atingir seus limites de desempenho e viver uma vida equilibrada e mais gratificante. Em seu livro The Chimp Paradox, ele explica que o sucesso e a felicidade estão sob o controle de uma pessoa. Felicidade é uma escolha. “Se você acha que a felicidade não é normal para você, torna-se uma profecia auto-realizável e esquiva”, diz ele. Ele sugere que as pessoas se concentrem em soluções e não em problemas e causas de angústia em vez de sintomas.

A felicidade, por sua natureza, é específica do indivíduo. Não existe um tamanho único para todos. Uma vida que cria conteúdo de uma pessoa pode não ser adequada para outra. As provações da vida não podem e não devem ser evitadas; sem eles, momentos de felicidade não seriam experimentados tão profundamente. Não é a própria vida que faz os seres humanos felizes, mas a percepção de sua existência e das crenças que eles sustentam. A felicidade não acontece apenas; requer investimento – de tempo e energia – mudar e deixar de lado pensamentos negativos.

A psicologia positiva recebeu algumas críticas. A abordagem científica da felicidade contribui “para legitimar a suposição de que riqueza e pobreza, sucesso e fracasso, saúde e doença são de nossa própria autoria”, afirma Edgar Cabanas e Eva Illouz, na Manufacturing Happy Citizens. Mas a psicologia positiva existe para identificar “que tipos de famílias resultam em crianças que florescem, que ambientes de trabalho suportam a maior satisfação entre os trabalhadores, quais políticas resultam no maior envolvimento cívico e como a vida das pessoas pode valer a pena”, diz Seligman na revista American Psychologist. O objetivo deste século é ajudar indivíduos, comunidades e sociedades a melhorar a qualidade de sua vida e a viver uma vida feliz.

A psicologia positiva é um chamado à ação, e não uma aceitação de nossa posição na sociedade.